Corte de verba pode prejudicar pesquisas no Instituto NUPEM/UFRJ

Reportagem da Inter TV entrevista a Diretora Adjunta de Pesquisa do Instituto NUPEM/UFRJ, Profª Drª Cíntia Monteiro de Barros, e a mestranda do Programa Multicêntrico de Pós-graduação em Ciências Fisiológicas (PMPGCF), Taiane Medeiros, sobre os impactos dos cortes orçamentários na realização de pesquisas importantes para a sociedade que são  desenvolvidas na instituição.

 

 intertv3

 

Em matéria exibida na última quinta-feira, 09 de maio, a diretora adjunta de pesquisa do Instituto NUPEM/UFRJ, Profª Drª Cíntia Monteiro de Barros, apresentou o projeto -  desenvolvido por ela e alunos da instituição em colaboração com o Prof. Dr. Mauro Pavão  (IBqM/UFRJ) e a Profª  Drª Silvana Allodi (IBCCF/UFRJ) -  que busca descobrir a cura para o Parkinson a partir de uma substância extraída das ascídias, organismos marinhos, e explicou as dificuldades que a instituição e as pesquisas vêm enfrentando por conta da diminuição no repasse de recursos por parte do governo federal.

De acordo com Barros, “o Parkinson é uma doença neurodegenerativa que não tem cura. Desde 1960, se utiliza o mesmo fármaco para o seu tratamento. Segundo a Organização Mundial de Saúde aproximadamente 1% da população mundial acima dos 60 anos tem Parkinson e a estimativa é que até 2050 tenhamos um aumento exponencial”. A pesquisadora continua:

“Como o Parkinson é uma doença que leva os neurônios à morte – e nós humanos perdemos a nossa capacidade neurorregenerativa, além de termos pequenas regiões de produção de novos neurônios – fomos estudar animais que conseguem regenerar seu sistema nervoso para compreender esse processo e elencar moléculas envolvidas que poderiam ter um potencial terapêutico. As ascídias foram escolhidas, pois, após a retirada completa do seu sistema nervoso central, elas conseguem se manter vivas e regenerá-lo em 1 mês.  Analisamos as moléculas que propiciavam esse processo e, agora, estamos testando em modelo in vitro de Parkinson, utilizando a linhagem celular humana de neurônios dopaminérgicos. Os efeitos dessa molécula são muito promissores, uma vez que ela diminui o estresse oxidativo e consequentemente a morte dos neurônios, tendo um considerável efeito neuroprotetor.”

A diretora adjunta de pesquisa do Instituto NUPEM/UFRJ relatou as limitações enfrentadas com o corte do orçamento da UFRJ para o jornal: “o microscópio eletrônico é um equipamento essencial para este projeto e não está funcionando. E nós não temos verba para consertar. O que fazemos é ir a Fiocruz, na cidade do Rio de Janeiro, onde há um equipamento similar. Mas isso demanda um gasto muito grande com o qual não podemos arcar. Há ainda, além da dificuldade de ir para a Fiocruz, a dificuldade de coletar os animais na região”.  

Taiane Medeiros,  mestranda do Programa Multicêntrico de Pós-graduação em Ciências Fisiológicas (PMPGCF) , explicou o projeto durante a entrevista: “Nós estamos trabalhando extraindo uma substância deste animal [ascídia]  e esta substância pode vir a se tornar um potencial fármaco para o Parkinson. Atualmente, todos os fármacos utilizados contra a doença são sintomáticos, ou seja, tratam só dos sintomas que o Parkinson causa. Nós estamos tentando descobrir se esta substância que a gente extrai tem o potencial para atuar diretamente na causa do Parkinson no sistema nervoso”.

 

intertv5

 

 

Além do Instituto NUPEM/UFRJ, outras unidades da UFRJ, além de UFF e IFF já sofrem com os cortes orçamentários no interior do Rio de Janeiro. Confira a matéria na íntegra!

 

 

 

Links

minerva verde      CampusMacae verde      ouvidoria verde     intranet verde     Sigma verde    superEst verde     CAPES verde       cnpq verde     FAPERJ verde

UFRJ Instituto de Biodiversidade e Sustentabilidade - NUPEM/UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ